Oficina ainda é um ótimo negócio: a evolução no setor

Muitos conhecidos meus podem discordar, mas o que vamos mostrar a seguir é que oficina ainda é um ótimo negócio e que ainda tem uma boa margem de resultado.

Volta ao passado

Quem já é dono de oficina a mais de 7 anos (ou talvez um pouco mais) sabe que no passado as margens eram muito maiores e na proporção os controles muito menores. Muitas oficinas ganharam e ao mesmo tempo gastaram muito dinheiro. Alguns não acreditaram que aquilo que estava acontecendo ao seu redor se concretizaria.

Aos poucos as seguradoras começaram a se preparar, a se informatizar e a exigir mais das oficinas. A relação neste momento ficou desequilibrada, pois as seguradoras estavam com tudo na mão e as oficinas não tinham nenhum processo de informatização e muito menos de gestão. Neste momento a tecnologia “engoliu as oficinas”. Aquele paraíso já estabilizado estava se desmoronando. O despertar para a informatização e a importância da gestão nas oficinas acabou acontecendo um  pouco tarde. Isso fez com que muitos acreditassem que seria o fim. A gestão era feita conforme a cabeça do proprietário e na sua forma de dirigir a empresa, que não mais dava o resultado que antes ele tinha.

Neste ponto alguns se arriscaram em sistemas de orçamentação eletrônica e de gestão. Investiram em maquinário, mas não se preparam para receber os computadores e nem os sistemas. Isso trouxe muitas dúvidas para as oficinas.
Será que vale a pena? Sempre cuidou da oficina de um jeito, agora tem que descentralizar e mudar a forma de trabalhar radicalmente.
Aqueles que iniciaram este processo, hoje conseguem ver com mais clareza que não se tinha outra opção. Ou era assim, ou era assim.  Mesmo tendo pago um preço muito alto por não se prepararem.

As margens diminuíram, a seguradora (no caso de funilaria) “apertou os cintos”, o resultado final quase não aparece mais e ainda assim oficina é um ótimo negócio?

Hoje não se tem opção: ou monitora-se e controla-se o custo (homem/hora) entre alguns outros e fica-se atento a todas as dicas dadas na matéria anterior, para não deixarmos o dinheiro sair por entre os dedos, ou muda-se de segmento. Como oficina já está enraizada em nosso dia a dia e praticamente não sabemos fazer outra coisa, então vou partir do princípio que os dois itens acima já estão virando rotina em nosso dia a dia. A única ressalva que faço é que devemos ter uma atenção redobrada ao controle de produtividade. Produtividade vai muito mais além do que fazer com que seus funcionários “lancem” as informações no sistema de gestão que sua oficina usa. Muito mais do que funcionário parado ou com o tempo mal aproveitado. Tempo, com gestão, é tudo. Tempo monitorado é dinheiro sobrando.

Oficina ainda é um ótimo negócio!

Para entendermos melhor porque oficina ainda é um ótimo negócio, precisamos entender o mercado automotivo e os números que ele nos mostra e que na maioria das vezes não prestamos atenção.

Já pesquisou sobre como está dividido a frota do Brasil? Para nós, interessa a frota referente aos veículos leves e comerciais leves, que representam demanda imediata.

A frota brasileira cresce, e há 1 carro para quase 5 habitantes. Em 1999 esta relação (segundo dados da Anfavea) era de 8,9 habitantes por veículo. Dez anos depois a relação despencou para 5,5 pessoas por carro e, segundo projeções do mercado, essa referência deve cair para cindo no fechamento de 2010.

O Brasil receberá um investimento aproximado de US$11,2 bi nos próximos três anos. Com tanto investimento, é inevitável a explosão nas vendas e na produção. São US$ 11,2 bi de aportes em aumento da capacidade de produção, inovação tecnológica, novos processos e produtos nas montadoras até 2012. A projeção é de que a capacidade de produção aumente para 4,3 milhões de unidades / ano.
Como transformar este despejo de veículos nas ruas em oportunidades para nós. Primeiro precisamos saber que as oficinas independentes já estão recebendo os carros, referente à frota, nos anos de 2009 / 2010 e a tendência do percentual de veículos novos caminharem para as oficinas ao invés da concessionária está aumentando a cada mês. Mais do que o ano sabemos também que marcas como Hyndai, Corolla, Honda, entre outros, já fazem parte do dia  a dia das oficinas. São informações importantes para estarmos em atualização constante e gerarmos dessa situação negócios positivos em nossas oficinas.

Oportunidade

O que move um negócio é o seu produto. A oficina tem como produto principal o veículo. Aumento de frota significa mais carros circulando e mais probabilidade deles colidirem. Carros colidindo significa “oportunidade”. O mercado aquecido na venda de veículos novos, frota circulante aumentando em proporção geométrica e a economia caminhando nos passos atuais fará com que as oportunidades apareçam na mesma proporção.
Oportunidade de aumento de veículos, oportunidade de novos veículos nas ruas e indo às oficinas, oportunidade de aumentar o ganho e melhorar a margem.

Oportunidade vem e passa. Se não pego ela passa e outro pega.

É o momento de colocarmos em prática tudo o que ouvimos e sabemos, mas não praticamos. É hora de iniciarmos um processo concreto de gestão.
Buscar o aumento de veículos é fundamental na sobrevivência da oficina, mas não vamos esquecer que oficina lotada não significa resultado.

2011 = obrigatoriedade da NFe

Oportunidade de fazer com que todos os departamentos de minha empresa se organizem e eu, enquanto proprietário, tenha as informações na mão.

Este é o nosso elo.

Fazer com que nossas oficinas aproveitem o momento, apliquem a gestão e:

Aumentem o volume de carros, sem aumentar o quadro de funcionários.
Diminuam o tempo de permanência do carro dentro da oficina.
Aumentem a venda de particulares (nas funilarias).
Acertem melhor os orçamentos (que vendam melhor).
Diminuam o número de diferença de preço na compra e venda das peças
Ajustem as rotinas e os procedimentos internos.
Façam reuniões, muitas reuniões com os funcionários (reuniões de 5 minutos)

Acreditem que sem gestão na há solução!

 

 

Fábio Moraes é diretor da Ultracar, proprietária do Software de Gestão Ultracar (parceira da Universidade Newton Paiva e do curso de GNA), auditor do IQA, consultor do Cesvi,  consultor do IAA, consultor de várias oficinas no Brasil. 

2 comentários em “Oficina ainda é um ótimo negócio: a evolução no setor

  • 30 de outubro de 2017 em 10:44
    Permalink

    Li e gostei, foi um conhecimento a mais para mim, eu e meu esposo temos uma oficina de funilaria e pintura, eu trabalho com a parte administrativa e na mão de obra da oficina tbm, agora contratamos o meu irmão para nos ajudar para que assim eu consiga me concentrar mais na administração da nossa micro empresa. Quando cheguei no elo da empresa de vcs conseguir exatamente o que procurava, vcs poderia me ajudar a transformar este elo de vcs como uma missão pra mim? Isso que quero por em pratica mas não sei nem msm como começar.
    Como posso fazer isso?

    Fazer com que nossas oficinas aproveitem o momento, apliquem a gestão e:

    Aumentem o volume de carros, sem aumentar o quadro de funcionários.
    Diminuam o tempo de permanência do carro dentro da oficina.
    Aumentem a venda de particulares (nas funilarias).
    Acertem melhor os orçamentos (que vendam melhor).
    Diminuam o número de diferença de preço na compra e venda das peças
    Ajustem as rotinas e os procedimentos internos.
    Façam reuniões, muitas reuniões com os funcionários (reuniões de 5 minutos)

    Resposta
    • 30 de outubro de 2017 em 11:54
      Permalink

      Olá, Jaqueline! Fico feliz que tenha gostado do texto. Podemos te ajudar sim. Minha orientação inicial é que você crie regularidade em todos os processos que já existem ou que você vá iniciar. Você pode aproveitar alguns textos e colocar as dicas em prática assim como mostramos ou participar dos nossos cursos e palestras ou aproveitar nossa consultoria. Logo mais traremos novidades para quem quer se atualizar e crescer sempre. Peço que fique atenta aos e-mails e redes sociais. Vem coisa boa por ai! Grande abraço e parabéns pela iniciativa!

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *